Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Não chamem nomes ao fado

por pauloconde, em 15.10.02

É de louvar a iniciativa denominada “Histórias do fado” levada a cabo pelo jornal A Capital que suscitará decerto, o interesse de muitos e esclarecerá dúvidas de outros em relação à canção nacional.

No entanto, parecem-me permentes, algumas considerações cujo teor, embora isento de pormenores, não pode nem deve ser ignorado, sob pena do fado cair numa modorra febril.

Quando alguém imiscuido no meio fadista, afirma que nos ultimos anos se tem assistido a uma renovação nas letras e nos poemas de fado, é bom que se saiba, que hoje em dia, escasseiam os letristas e poetas populares a escreverem com qualidade para o fado. Nem sequer se pode entender como renovação, o facto de se cantarem poemas do Camões ou do Pessoa, já que estes nunca escreveram para o fado.

O que aconteceu, é que alguns que se intitulam fadistas, ( Há quem afine a garganta / p’ra que alguém por faia o tome, / mas o fado que ele canta / de fado, só tem o nome. ) aproveitaram-se da incursão de Amália pelos poetas eruditos, para com isso atingirem alguma notoriedade e disfarçarem assim as diversas lacunas artisticas, esquecendo-se porém, que a diva do fado, não necessitou de cantar poetas universitários para se notabilizar. O talento nato da grande Amália afirmou-se, interpretando letras de Linhares Barbosa, Gabriel de Oliveira, Carlos Conde, Armando Neves ou Silva Tavares, alguns dos poetas da escola da vida.

Era a época em que estes letristas, estendiam a mão aos que hoje os criticam, esqueceram o berço, não tinham pão e hoje cospem na sopa.

É por isso, que nunca o fado, como hoje, teve uma estética e uma ética tão pobres, mercê de gente que se vangloria de ter dado a volta ao fado, o que não deixa de ser uma torpe presunção.

Felizmente, embora raros, despontam novos interpretes, que respeitam o fado como canção intimamente popular, interpretando repertórios populares, que qualquer cidadão menos letrado compreende, permitindo assim uma maior comunhão entre o público e o fadista.

É que o poeta popular, no fado, está acima de qualquer outro, não só porque respeita rimas e métricas e não usa todo o vocabulário, mas acima de tudo ( ao contrário dos que sem qualquer talento nato se obrigaram a ser poetas ) aprendeu a escrever na universidade da vida.

Conclui-se assim, que os que se dizem renovadores, não são mais que sombras ténues daquilo que se intitulam, em relação aos quais, o fado e o tempo se encarregarão de apagar da história. Até se podem reunir no CCB, ridicularizarem-se com o “fado-jazz”, mas façam um favor ao país; Não chamem nomes ao fado!

  

 

Paulo Conde - A Capital - 2002

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:30


Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Outubro 2002

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2002
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2001
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2000
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D
  261. 1999
  262. J
  263. F
  264. M
  265. A
  266. M
  267. J
  268. J
  269. A
  270. S
  271. O
  272. N
  273. D
  274. 1998
  275. J
  276. F
  277. M
  278. A
  279. M
  280. J
  281. J
  282. A
  283. S
  284. O
  285. N
  286. D
  287. 1997
  288. J
  289. F
  290. M
  291. A
  292. M
  293. J
  294. J
  295. A
  296. S
  297. O
  298. N
  299. D
  300. 1996
  301. J
  302. F
  303. M
  304. A
  305. M
  306. J
  307. J
  308. A
  309. S
  310. O
  311. N
  312. D